Rapidez

Começo por contar uma velha lenda.

O imperador Carlos Magno em idade avançada apaixonou-se por uma rapariga alemã. Os barões da corte estavam muito preocupados, ao ver que o soberano, tomado pela fúria amorosa e esquecido da dignidade real, descurava os negócios do Império. Quando de repente a rapariga morreu, os dignitários respiraram aliviados, mas por pouco tempo: porque o amor de Carlos Magno não morreu com ela. O imperador, mandando levar o cadáver embalsamado para o seu quarto, não queria afastar-se dele. O arcebispo Turpino, aterrado com esta macabra paixão, suspeitou de um encantamento e quis examinar o cadáver. Escondido debaixo da língua morta, achou um anel com uma pedra preciosa. Assim que o anel foi parar às mãos de Turpino, Carlos Magno apressou-se a mandar sepultar o cadáver, e transferiu o seu amor para a pessoa do arcebispo. Turpino, para fugir a esta situação embaraçosa, lançou o anel ao lago de Constança. Carlos Magno apaixonou-se pelo lago e nunca mais quis afastar-se das suas margens.

In Seis propostas para o próximo milénio, de Italo Calvino

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s